30.5.12

Eternamente Zeca Baleiro




José Ribamar Coelho Santos, (Arari, Maranhão, 11 de abril de 1966), mais conhecido como Zeca Baleiro, é um cantor, compositor, cronista, e músico brasileiro de MPB. Transferiu-se para São Paulo onde lançou sua carreira.

Zeca canta, toca violão e já teve suas composições interpretadas por Simone, Gal Costa, Elba Ramalho, Vange Milliet, Adriana Maciel, Luíza Possi, Rita Ribeiro, Renato Braz e Claudia Leitte.
Em 2011, lançou um livro de crônicas intitulado Bala na agulha.
Atualmente, além da carreira de músico, é colunista mensal da revista Isto É.



Biografia
O nome José de Ribamar é uma homenagem a São José de Ribamar, santo dos maranhenses. O apelido - Baleiro - vem do fato de gostar muito de doces. Tanto que, quando cursava faculdade costumava ter sempre balas para consumir entre as aulas.
É o que pode ser percebido nas próprias palavras do Zeca: "Sempre fui um grande consumidor de doces, balas e toda sorte de guloseimas. Quando ingressei na universidade, entre uma aula e outra, saboreava minhas balas. Quando alguém desejava comer uma, vinha até mim. Daí para começarem a me chamar de baleiro foi um passo. Confesso que a princípio aquilo não soava bem aos meus ouvidos."
Antes de dedicar-se exclusivamente à música, chegou, inclusive, a abrir uma loja de balas, tortas e doces caseiros.



Carreira Musical
Zeca começou sua carreira compondo melodias e músicas para peças infantis de teatro, onde se destacou pela qualidade de suas letras. Foi morar em São Paulo, onde dividia um apartamento com seu parceiro musical Chico César.
Apesar de sua carreira musical já existir 12 anos antes de gravar seu primeiro disco em 1997, seu salto para a fama foi em sua participação no Acústico MTV de Gal Costa com a canção "A Flor da Pele", que lhe valeu projeção nacional. Nos anos seguintes gravou mais cinco discos com participação de outros cantores do Brasil, muitos dos quais são seus parceiros em composições como: Chico César, Rita Ribeiro, Lobão, O Teatro Mágico, Arnaldo Antunes, Zé Geraldo, Paulinho Moska, Lenine, Fagner, Zeca Pagodinho, Genival Lacerda e Zé Ramalho. Sua música deriva de muitos ritmos tradicionais brasileiros: samba, pagode, baião com elementos do rock, pop e música eletrônica com um modo muito particular de tocar violão.



Discografia

Estúdio
Por Onde Andará Stephen Fry? (1997)
Vô Imbolá (1999)
Líricas (2000)
Pet Shop Mundo Cão (2002)
Raimundo Fagner e Zeca Baleiro - Daqui pra lá, de lá pra cá (2003)
Baladas do Asfalto e Outros Blues (2005)
Lado Z (2007)
O Coração do Homem Bomba - Vol. 1 (2008)
O Coração do Homem Bomba - Vol. 2 (2008)
O Disco do Ano (2012)

Ao Vivo
Raimundo Fagner e Zeca Baleiro - Daqui pra lá, de lá pra cá (DVD) (2003)
Baladas do Asfalto e Outros Blues Ao Vivo (2006)
O Coração do Homem Bomba - Ao Vivo (Ao Vivo Mesmo) (2009)


Fonte: Wikipédia

___________________________________________________________________________


Minha Tribo Sou Eu
(Zeca Baleiro)


Eu não sou cristão 
Eu não sou ateu 
Não sou japa não sou chicano 
Não sou europeu 
Eu não sou negão 
Eu não sou judeu 
Não sou do samba nem sou do rock 
Minha tribo sou eu

Eu não sou playboy 
Eu não sou plebeu 
Não sou hippie hype skinhead 
Nazi fariseu 
A terra se move 
falou Galileu 
Não sou maluco nem sou careta 
Minha tribo sou eu

ai ai ai ai ai 
ié ié ié ié ié 
Pobre de quem não é cacique 
nem nunca vai ser pajé
_________________________________________







28.5.12

Você acredita em Disco Voador?



OVNI é o acrónimo de Objeto Voador Não Identificado, também conhecido por UFO (unidentified flying object, em inglês).
O termo foi criado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos que indica quaisquer objetos voadores ainda não identificados.


Por que a mídia internacional está cobrindo os frequentes AVISTAMENTOS DE OVNIS?



Interpretações
Avistamentos ou detecções de OVNIs não são raros no trabalho de profissionais das aviações civil e militar. Na análise de especialistas em aviação, especialistas em comunicações por satélite e meteorologistas, a maior parte dos fenômenos ou objetos inicialmente tratados como OVNIs pelas tripulações de aeronaves e aeroviários são posteriormente identificados, são aeronaves (aviões, helicópteros e balões), satélites artificiais e balões meteorológicos e de festas juninas.
Também são inicialmente tratados como OVNIs alguns fenômenos naturais, certas condições naturais como o acúmulo de grande quantidade de material orgânico se decompondo podem ocasionar fenômenos raros como a combustão dos gases, as chamadas "bolas de fogo", na linguagem popular.
Em certas épocas do ano os planetas Mercúrio, Vênus, Júpiter, Marte e Saturno são visíveis a olho nu, com o curioso aspecto de pontos luminosos no céu.
Em localidades rurais em que não há grande número de luzes artificiais, é comum o avistamento de meteoritos e lixo espacial entrando na atmosfera terrestre.
Os países com o maior número de OVNIs avistados são os Estados Unidos, México, Peru, Brasil, Rússia, Chile, Israel, Chipre e Liechtenstein.
Há hipóteses de existência de vida inteligente em outros planetas, os muitos sinais bem claros do que se supõem serem atividades de seres extraterrestres inteligentes em naves alienígenas e controlando sondas alienígenas despertam a curiosidade de muitas pessoas, de fato há ocorrências sérias consideradas ainda inexplicáveis de OVNIs que despertam a imaginação e levantam suposições sobre a existência de seres inteligentes visitando e executando “missões exploratórias” minuciosas e muito sofisticadas no planeta Terra.
Entre os casos mais conhecidos, e que ainda hoje desperta curiosidade, está o da queda de um objeto estranho, em Roswell, em 1947, nos Estados Unidos, na sequência da qual, segundo testemunhas, havia corpos alienígenas juntos aos destroços da nave interplanetária. O episódio ficou conhecido como Caso Roswell. Este caso foi oficialmente considerado encerrado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos em 1997, cerca de cinquenta anos mais tarde, quando o governo americano disponibilizou os relatórios oficiais.


Avistamentos no Brasil
No Brasil, existem diversas regiões nas quais os relatos de avistamento de OVNIs são bastante frequentes, sendo que em muitas delas os OVNIs fazem parte da própria cultura local da região. Dentre elas, podem-se destacar:
O interior e o litoral do Estado de São Paulo, com destaque para as cidades de Riolândia, Buritama, Analândia, Botucatu, Araçoiaba da Serra e Peruíbe.
O Sul de Minas Gerais, com destaque para as cidades de Varginha, São Thomé das Letras e Guaxupé.
O Sul do Piauí, com destaque para o Parque Nacional da Serra da Capivara.
A Chapada dos Guimarães e a Serra do Roncador, no Mato Grosso.
A Chapada dos Veadeiros, em Goiás, com destaque para o Vale da Lua.
A Chapada Diamantina, na Bahia.
O Interior do Ceará, com destaque para as cidades de Quixadá e Itatira.
A Ilha de Marajó e o litoral do estado do Pará.
A Serra da Beleza, no interior do Rio de Janeiro, entre os municípios de Valença, Barra do Piraí e Barra Mansa.
O litoral do Rio de Janeiro, com destaque para a cidade de Niterói.
O Planalto da Borborema, nos estados de Alagoas, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.


Regulamentação da Força Aérea Brasileira (FAB)
Em 10 de agosto de 2010, a Força Aérea Brasileira anunciou a regulamentação de normas para pilotos em caso de contato com OVNIs, sendo um documento da FAB o significado de OVNI está de acordo como o termo militar, porém as Forças Armadas Brasileiras não reconhecem publicamente a existência de naves alienígenas e sondas alienígenas.


Fraudes
Infelizmente, uma parte das publicações de fotografias de supostos OVNIs é material adulterado ou fraude, pessoas mal intencionadas conseguem simular OVNIs por algum tempo usando objetos e truques, em tempos atuais existem até mesmo casos de adulterações de fotografias em programas populares de edição de imagens, e mesmo pessoas sem muita experiência em edição de imagens conseguem por alguns momentos enganar e abusar da credulidade e curiosidade da população e, posteriormente, quando analisadas detalhadamente são desmentidas por peritos sérios.
Há também casos de conhecidos ufólogos que perderam credibilidade após análises sérias de imagens e vídeos realizadas por peritos.
Muitos relatos registrados em todo o mundo são explicados pela ciência, incluindo alucinações, incluindo os equívocos de pessoas comuns sem más intenções, incluindo os embustes cometidos por pessoas mal intencionadas e provas documentais forjadas.


Ufologia
Em uma das vertentes da ufologia mundial, acredita-se que uma pequena parte dos registros visuais analisados com seriedade referem-se a projetos militares secretos, há inclusive declarações inusitadas, impressionantes e supreendentes de que as Forças Armadas dos Estados Unidos já dominam e usam altíssima tecnologia alienígena para fins militares.
Por exemplo: Numa polêmica entrevista ao canal History Channel, o militar aposentado e ex-agente da CIA (o serviço secreto americano), Philip Corso, afirma explícitamente que as Forças Armadas dos Estados Unidos recolheram, submeteram a análises científicas e reproduziram uma variedade de tecnologias alienígenas, incluindo entre elas “bisturi laser”, “óculos de visão noturna” e “fibra ótica”, algumas dessas já usadas para fins militares e civis.
Segundo ele, naves interplanetárias que aceleram repentinamente e viajam a milhares de quilômetros por hora, literalmente, foram apreendidas e analisadas por militares americanos.
Os casos a seguir ainda carecem de explicação científica: o da JAL (Japan Airlines), em que durante o voo 1628 Paris–Tóquio em 1986 foram avistadas luzes seguidas do aparecimento súbito de duas possíveis naves espaciais quando a aeronave sobrevoava o Alasca; o de 2000, no Chile, quando três helicópteros militares voavam em plena luz do dia e seus tripulantes observaram um objeto pousado no solo que subiu repentinamente até à altura dos aparelhos, colocando-se à sua frente, quase em rota de colisão; ou ainda em Varginha, no Brasil, em 1996, quando várias testemunhas declararam ter avistado não só um objeto voador não indentificado, mas também os seus tripulantes.


Incidentes famosos
Caso Roswell


Caso Travis Walton


Incidente de Varginha


Noite Oficial dos OVNIs no Brasil


Operação Prato


Caso da Ilha da Trindade


Incidente de Riolândia


Caso Vilas-Boas


Caso do Forte de Itaipu



Fonte: Wikipédia




O que é Extraterrestre?
Extraterrestre ou extraterreno refere-se a tudo que é de fora do planeta Terra. A expressão comumente designa outros planetas, e os seres vivos, inteligentes ou não, que vivam lá.
O estudo do fenômeno extraterrestre evoluiu muito nas últimas décadas com o crescimento do interesse da população pela vida fora do planeta Terra. A ufologia é o nome popular utilizado para o estudo de indícios de vida fora do planeta. O nome academicamente aceito é "exobiologia".
A literatura, o cinema e a televisão já exploraram muito a possibilidade de contato com seres inteligentes de outros planetas (chamados de ETs), porém muitas vezes estimulando a idéia de um contato hostil causando o protesto de alguns ufólogos. Devido a essa influência negativa da mídia, boa parte da população teme um contato com seres extraterrestres.
A ciência que se ocupa da vida fora da Terra chama-se Exobiologia.
No Brasil e em Portugal usa-se a sigla OVNI para designar Objeto Voador Não-Identificado, equivalente ao inglês UFO que é Unidentified Flying Object. Muitas pessoas acreditam que a aparição desses objetos seja a prova não apenas da existência de vida extraterrestre, mas também de que seres de outros planetas visitem o nosso. Os pesquisadores dessas aparições são chamados de ovniologistas ou ufólogos.
Há muitos relatos mundo a fora de possíveis contatos com seres de outro planetas. Alguns acabam por coincidirem, propositalmente ou não (relatos mais antigos podem gerar embasamento para possíveis relatos mais novos) tratando como são, como agem e alguns aspectos físicos. Veridicamente ou não, tais relatos sempre afirmam o seu poder intelectual admirável, ferramentas e equipamentos avançados em questão de tecnologia, e quase sempre apresentam as mesmas características físicas, estatura inferior á 1,50 m, membros e cabeça desproporcional ao corpo, narinas mínimas, cor de pele com tonalidade marcante sendo verdes, cinzas com olhos extremamente grandes e linguagens incompreensíveis.


Particularidades
Apesar dos muitos relatos de contatos humanos com supostos extraterrestres, muitos estudiosos ainda questionam sobre sua veracidade. Entre as justificativas mais plausíveis, seria no que se diz respeito as dimensões do Universo e a capacidade de seres inteligentes se locomoverem em viagens intergaláticas incomensuráveis. Seria necessário veículos que viajassem em velocidade próxima a da luz (300 000 quilômetros por segundo), numa espaçonave onde seus tripulantes deveriam procriar centenas de vezes até chegar ao seu destino; tudo isso, sob a parametrização de que todo espaço percorrido só teria relevância na escala de centenas de anos luz.


A resposta à Mensagem de Arecibo
Em 16 de novembro de 1974, o projeto SETI (Search for Extra-Terrestrial Intelligence) enviou uma mensagem para o espaço (direcionada ao aglomerado estelar M13, que se encontra aproximadamente a 25.000 anos luz da Terra) através do maior radiotelescópio fixo do mundo, o Radiotelescópio de Arecibo, em Porto Rico. A mensagem fora criptografada através do código binário. Nessa mensagem estavam presentes informações sobre a raça humana, incluindo:
A representação binária da base de nossa matemática (os números de 1 a 10);
Os elementos primários para a vida na terra (Hidrogênio, oxigênio, carbono, fósforo e nitrogênio);
Composição dos ácidos e bases dos nucleotídeos do nosso DNA;
A representação gráfica do nosso DNA;
O número de nucleotídeos do nosso DNA;
Uma representação de nossa anatomia;
Uma aproximação do número da população terrestre;
Nossa localização no sistema solar;
Uma representação do radiotelescópio que mandara a mensagem.

26 anos e 8 meses depois, em 21 de agosto de 2001, foram encontrados dois círculos ingleses perto do radiotelescópio de Chilbolton, Hampshire, UK. Um deles lembrava muito a mensagem enviada em 1974, porém, havia algumas particularidades no mesmo:
A base de nossa matemática permaneceu a mesma;
Os elementos primários para a vida foram mudados, mantendo todos os enviados e anexando o silício;
A composição dos nucleotídeos permaneceu;
Foi representado um DNA diferente do nosso;
O número de nucleotídeos tambem é diferenciado do nosso;
A anatomia enviada mostrava um ser abaixo da estatura humana e com uma grande caixa craniana;
A população representada era superior a da Terra;
A localização da suposta raça alienígena fora representada como um conjunto de seis planetas, que orbitavam uma estrela menor que o Sol
A representação do Radiotelescópio de Arecibo fora trocada por outra muito mais complexa (a forma já fora vista em outro círculo inglês, no mesmo local, em 2000).


Casos
Um fato histórico de grande relevância pelos estudiosos do assunto é o Caso Roswell, em 1947, onde supostamente houve uma queda de um disco voador de origem extraterrestre na cidade norte-americana de Roswell, sendo capturado(s) o(s) ser(es) ainda com vida. O governo americano, após admitir a queda do equipamento, desmentiu afirmando que seriam balões meteorológicos.
No Brasil, o Caso Varginha, em 1996, é considerado por muitos ufólogos o mais importante de todos. Em torno de três seres supostamente foram capturados na cidade mineira que batiza o suposto fato e levados para a Universidade de Campinas. O fato é intrigante, visto que as testemunhas ao longo dos dias foram numerosas.



O que é a Área 51?
Área 51 é um dos nomes atribuídos à área militar restrita no deserto de Nevada, próxima ao Groom Lake, Estados Unidos. É uma área tão secreta que o governo norte-americano só admitiu sua existência oficial em 1994 e ainda com muitas restrições. É muito provável que seja uma das bases de testes aéreos mais sigilosos. É considerado, por exemplo, que o avião invisível ao radar, F-117, foi desenvolvido nesta base. Alguns grupos que discutem fenômenos extranormais atribuem um envolvimento da força militar americana com extraterrestres. Nenhum desses argumentos foi confirmado nem negado, devido ao forte esquema de sigilo militar.
Existem inúmeros documentários, livros e filmes que tratam fenômenos extranormais. Porém, esses não são imparciais na questão dos rumores extraterrestres, sempre submetendo a área como um "Sítio extraterrestre". A "Área 51" foi vista em: Watertown (Cidade Aquática), Dreamland (Terra dos Sonhos), Paradise Ranch (Fazenda do Paraíso), The Farm (A fazenda), The Box (A Caixa), Groom Lake (Lago Groom), Independence Day (Dia da Independência), Indiana Jones and the Kingdom of the Crystal Skull (Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal), Ben 10: Ultimate Alien (Ben 10: Supremacia Alienígena) e Total Drama World Tour (Drama Total: Turnê Mundial).


Geografia
A Área 51 é uma área de aproximadamente 1550 km² no Condado de Lincoln, Nevada. Faz parte da (12 138 km²) Nellis Air Force Range (NAFR).
Imagens do Google Earth puderam mostrar mais sobre as pistas de pouso do complexo. A pista de pouso do local é a 14L/32R, construída na década de 1990, medindo 3651 x 61 m.
A Área 51 faz divisa com o Nevada Test Site (NTS), local de testes nucleares. A Montanha Yucca, depósito nuclear, fica aproximadamente a 64 quilômetros a sudoeste do lago Groom.
A base teve sua existência admitida apenas em 1994, entretanto, não é única base secreta norte-americana, existem outras ainda não admitidas pelo governo, por questões de Estado, mas é uma das principais bases "secretas" de pesquisas de armas nucleares, bacteriológicas, químicas, hidrogênicas entre outros tipos de armas secretas.


Infra-estrutura
A base militar de testes das forças armadas dos Estados Unidos, popularmente chamada de Área 51, é uma das bases mais avançadas do mundo, contendo um complexo subterrâneo e vários laboratórios de pesquisas. Com a finalidade de desenvolver ou testar tecnologia para as Forças Armadas dos Estados Unidos.
Possui um ótimo sistema informatizado, semelhante a de outras bases secretas estado, e um sistema "quase impenetrável" de bunker (túneis subterrâneos), com blindagem para suportar um cataclismo apocalíptico e, nos corredores (subterrâneos) um sistema de paredes que não propagam sons de objetos transmissores de algum tipo de frequência (como bluetooth, infravermelho, radiofrequência) e restringem conexões até em aparelhos transmissores com frequência desconhecida (os espiões atuais usam aparelhos com frequência diferente das comunicações atuais, assim não são detectados por aparelhos de contra-espionagem), o acesso a base é amplamente restrito e para entrar lá são usados leitores de impressões digitais, leitores biométricos-ópticos, investigação da vida base de origem, quem o enviou, confirmação de quem ele é em diferentes órgãos do alto comando da CIA (Central Intelligence Agency e da USAF (United States Air Force).
O IS (Sistema Informatizado) é composto por computadores de última geração que são controlados por um gigantesco computador central que, apenas, cerca de 6 homens de alta patente sabem onde está localizado, com um sistema operacional desenvolvido propriamente para a Área 51 os computadores são assim constituídos, pois se intrusos invadirem o sistema não saberão como funciona o sistema operacional, hackers não conseguem penetrar nunca no sistema, pois ele funciona em dois modos, os computadores que são destinados as pesquisas disponíveis na internet operam com um ótimo sistema de antivírus e a maioria não está em rede, pois assim não correm o risco de serem infectados por ataque de hackers inimigos. Já o outro é utilizado para ficar atento ao que acontece no mundo como feiras, grandes eventos internacionais, cotação do dólar e etc.
Uma das principais entradas para o complexo subterrâneo fica em um hangar, lá são armazenados helicópteros e jipes, porém há uma porta com painel para digitar uma senha (fato bem comum) após a porta estende-se um corredor e finda em outro depósito. Lá existe uma grande porta antinuclear com uma grande inscrição GATE 03, essa também possui um painel de segurança (com cerca de 41 teclas em forma de teclado de computador) que envolve letras de A a Z, cinco cores (azul, amarelo, verde, vermelho e branco) e dez números.
Depois de digitar a senha o portão se abre e leva para um grande elevador de 18,30m² com capacidade de sustentar 530000 N, e sua descida é íngreme. Após descer, o elevador termina em um grande salão onde tem acesso a quase todas as partes do complexo.


Operações
Dreamland é muito sigilosa à questão de suas atividades, deixando à imaginação o que o governo submete à área, o fato é que seria somente mais uma base aérea.
Satélites soviéticos obtiveram fotos do local em plena Guerra Fria, mas só chegaram a conclusões básicas. Eles descreveram uma instalação comum com pistas de pousos, hangares etc, mas nada que provasse a suposta base subterrânea. Mais tarde, novas fotos saíram de satélites comerciais, mas sem nada de excepcional.
Lá testaram aviões como o U-2 (utilitário 2) , o A-12, o SR-71 Blackbird e o F-117 Nighthawk.


Tecnologia alienígena
Desde o estabelecimento da Área 51, algumas pessoas declararam ter visto estranhos objetos sobrevoando seu espaço aéreo e arredores, mas as autoridades sempre negaram os fatos. Contudo, um de seus próprios funcionários declarou que na base, além de projetos militares avançados que usam tecnologia alienígena ativamente, discos voadores genuinamente extraterrestres também seriam objetos de estudo de engenharia reversa. As naves, resgatadas intactas ou em acidentes, eram consertadas ou reconstruídas em Dreamland e depois submetidas à prova por pilotos de testes. Foi o próprio físico Robert Bob Lazar quem fez tal afirmação, sendo seguido por vários outros ex-funcionários das instalações de Groom Lake. "Quase todos os dias eu pegava o avião em McCarran e ia à ‘Fazenda’, onde trabalhava em tecnologia revolucionária", declarou Lazar, que trabalhou cinco meses na base, a partir de dezembro de 1988. O piloto de testes e herói de guerra John Lear, filho do então proprietário da fábrica de aviões a jato Learjet, foi um dos que colocaram os UFOs à prova.
Lazar recentemente estendeu suas declarações e informou que o governo norte-americano estava pesquisando nada menos que nove discos voadores na Área 51, e tentava adaptar sua tecnologia em projetos terrestres, com o uso da chamada engenharia reversa. Por suas declarações, ele e sua mulher receberam várias ameaças de morte. Assim, evitando correr riscos, em novembro de 1989 decidiu aparecer em público e confirmou suas alegações. Disse que há um lugar secreto no interior da Área 51, conhecido como S-4, próximo ao lago seco Papoose, onde as naves alienígenas eram guardadas. Explicou que seu trabalho se dava justamente naquelas instalações, junto a uma equipe de 22 engenheiros contratados para estudar os sistemas de propulsão dos discos voadores. Agora, as novas imagens da TerraServer confirmam as declarações de Lazar, mostrando detalhes de tais instalações.
Ainda segundo Lazar, o S-4 era um enorme complexo subterrâneo que ocupava toda a área de uma cordilheira de montanhas. No início, o físico pensou que estivesse trabalhando com uma tecnologia altamente sofisticada criada pelo homem. Mas quando entrou em um dos discos voadores lá alojados, convenceu-se de que se tratava de algo de outro mundo, porque tanto sua forma quanto suas dimensões confirmam sua origem não humana. "As naves que examinei não possuíam juntas aparentes, nenhuma solda, parafusos ou rebites", disse Lazar. "As bordas de todos os elementos da espaçonave eram arredondadas e suaves, como se tivessem sido feitas com cera quente submetida a um rápido processo de resfriamento".
De acordo com seu relato, havia arcos e delicadas cadeiras de somente 30 cm de altura no interior dos veículos espaciais. Sua unidade de propulsão era o que mais lhe intrigava: tinha o tamanho de uma bola de beisebol e irradiava um campo antigravitacional através de uma coluna oca, situada verticalmente no centro da nave. Lazar teve sua curiosidade científica aguçada e passou a procurar informações sobre tudo o que acontecia em S-4. Foi quando teve acesso a um memorando que confirmou suas suspeitas. Nele havia uma quantidade impressionante de informações sobre os OVNIs, "inclusive fotografias de autópsias de pequenos seres cinzas com grandes cabeças calvas", declarou à Revista UFO. "O governo estava escondendo da população fatos da maior gravidade, e tudo aquilo estava sendo feito em Groom Lake, mais precisamente em S-4", desabafou.


Fonte: Wikipédia



VISITE TAMBÉM:








24.5.12

A Pedra Maldita




Mais um dia começa... O sol entra de mansinho pela fresta da janela, os galos estão parando de cantar, iniciam-se o barulho do trânsito e o barulho das pessoas lá fora. 
Imagino que a maioria delas esteja a caminho do trabalho, rumo ao cumprimento dos seus deveres, seguindo a rotina que um dia já fez parte da minha vida também. Rotina que, aliás, abandonei há alguns anos, desde que conheci e passei a integrar um mundo novo, um mundo onde a rotina e tudo o mais não tem nem razão de ser.
Ainda matutando sobre as sobras das ruínas do meu ser, acabo adormecendo – depois de tantas e tantas horas acordado.
Meus sonhos costumam ser tão ou mais pavorosos do que a realidade à qual sempre procuro fugir quando estou acordado. Felizmente acabo esquecendo-os pouco depois de despertar.
Nada diferente no meu sonho de hoje. O mesmo sentimento angustiante do medo... Acordo sobre um lençol umedecido, completamente suado, mais uma vez assustado, mais uma vez agoniado.
Nenhuma boa perspectiva para o resto do dia que me espera.  A única motivação boa é a lembrança de uma gostosa e extasiante sensação de bem-estar; é o que me instiga a viver, a querer sair e procurar, de qualquer maneira, a única coisa que pode me trazer essa sensação de volta, a única coisa que me tem interessado nos últimos anos.
Foi por ela que abandonei e abdiquei à rotina que outrora fez parte da minha vida. Foi por ela que fui aos poucos perdendo o respeito e a admiração da minha família e dos meus verdadeiros amigos. Foi por ela que, além do respeito, acabei perdendo de vez a minha família; substituí a companhia dos verdadeiros amigos pelas falsas amizades de agora. Foi por ela que me tornei o que hoje sou: um excluído da sociedade, como todos os meus falsos amigos.
Mesmo sabendo que são falsos e interesseiros como eu, é na companhia deles que agora desejo e certamente vou estar daqui a pouco.
O desejo de ter de volta aquela gostosa sensação nesse momento já virou obsessão, é mais forte do qualquer coisa que eu conheça, incontrolável. Nada, além disso, me interessa agora.
Vou gastar todo o dinheiro que me resta sem nenhum pesar, nenhuma culpa, sem sequer hesitar ou pensar em consequências.
Meus falsos amigos certamente terão aquilo que tanto desejo, aquilo que está lentamente me definhando e me levando à morte: o crack, um caminho na maioria das vezes sem volta.
Deixo aos verdadeiros amigos um conselho: NUNCA, em hipótese alguma, experimentem essa droga maldita! 
Saiba, ao contrário de mim, dizer NÃO, para que não se transformem nisso que sou hoje: um escravo, um dependente...

Conto fictício: Renato Curse                    10 de maio de 2.012



Infelizmente, o consumo de crack tem aumentado assustadoramente nos últimos anos, no mundo todo. A situação parece fora de controle e enquanto isso não for definitivamente tratado como uma questão de saúde pública, uma questão social (ao invés de assunto policial/criminal), tende só a piorar.

Felizmente jamais tive qualquer tipo de experiência com o crack, mas conheço o mal que ele é capaz de causar. Alguns amigos que ousaram entrar nesse mundo, nunca mais conseguiram sair. O estrago que essa droga causa às famílias é gigantesco!
Triste realidade de difícil solução...





Crack é uma droga, geralmente fumada, feita a partir da mistura de pasta de cocaína com bicarbonato de sódio. É uma forma impura de cocaína e não um sub-produto. O nome deriva do verbo "to crack", que, em inglês, significa quebrar, devido aos pequenos estalidos produzidos pelos cristais (as pedras) ao serem queimados, como se quebrassem.
A fumaça produzida pela queima da pedra de crack chega ao sistema nervoso central em dez segundos, devido ao fato de a área de absorção pulmonar ser grande e seu efeito dura de 3 a 10 minutos, com efeito de euforia mais forte do que o da cocaína, após o que produz muita depressão, o que leva o usuário a usar novamente para compensar o mal-estar, provocando intensa dependência. Não raro o usuário tem alucinações e paranoia (ilusões de perseguição).
Em relação ao seu preço, é uma droga mais barata que a cocaína.
O uso de cocaína por via intravenosa foi quase extinto no Brasil, pois foi substituído pelo crack, que provoca efeito semelhante, sendo tão potente quanto a cocaína injetada. A forma de uso do crack também favoreceu sua disseminação, já que não necessita de seringa — basta um cachimbo, na maioria das vezes improvisado, como, por exemplo, uma lata de alumínio furada.



História
A história do crack está diretamente relacionada com a da cocaína, grandemente consumida por grupos de amigos, em um contexto recreativo. No entanto, a cocaína era uma droga cara, apelidada de “a droga dos ricos”. Esse foi o principal motivo para a criação de uma “cocaína” mais acessível.
De fato, a partir da década de 70 começaram a misturar a cocaína com outros produtos e conforme outros métodos. Foi assim que surgiu o crack, obtido por meio do aquecimento de uma mistura de cocaína, água e bicarbonato de sódio. Na década de 80, o crack se tornou grandemente popular, principalmente entre as camadas mais pobres dos Estados Unidos.O crack causa intensa dependência. Leva á morte.


Efeitos psicológicos
O crack é uma substância que afeta a química do cérebro do usuário: causando euforia, alegria, suprema confiança, perda de apetite, insônia, aumento da energia, um desejo por mais crack, e paranoia potencial (que termina após o uso). O seu efeito inicial é liberar uma grande quantidade de dopamina, uma química natural do cérebro que causa sentimentos de euforia e de prazer. O efeito geralmente dura de 5-10 minutos, após o qual os níveis de tempo de dopamina no cérebro despencam, deixando o usuário se sentindo deprimido. Quando o crack é dissolvido e injetado, a absorção pela corrente sanguínea é tão rápido como a absorção que ocorre quando o crack é fumado, e sentimentos de euforia pode ser experimentado. Uma resposta típica entre os usuários é ter outro hit da droga, no entanto, os níveis de dopamina no cérebro levam muito tempo para se restabelecer, e cada dose recebido em rápida sucessão leva a efeitos cada vez menos intenso. No entanto, uma pessoa pode ficar 3 ou mais dias sem dormir, enquanto sob o efeito do crack. Uso do crack em uma festa, durante o qual a droga é tomada repetidamente e em doses cada vez mais elevadas, leva a um estado de irritabilidade crescente, agitação e paranoia. Isso pode resultar em uma psicose paranoica, em que o indivíduo perde o contato com a realidade e passa a ter alucinações. Abuso de estimulantes de drogas (principalmente anfetaminas e cocaína) podem levar a parasitose delirante (Síndrome aka Ekbom: a crença equivocada de que são infestados de parasitas). Por exemplo, o uso de cocaína em excesso pode levar à formigamento, apelidado de "bugs cocaína" ou "erros de coque", onde as pessoas afetadas acreditam ter, ou sentir, parasitas rastejando sob a pele. Essas ilusões também estão associados com febre alta ou abstinência do álcool, muitas vezes juntamente com alucinações visuais sobre insetos. Pessoas que vivem essas alucinações podem arranhar-se e causar danos cutâneos graves e sangramento, especialmente quando eles estão delirando.



Efeitos fisiológicos
Os efeitos fisiológicos em curto prazo do crack incluem: constrição dos vasos sanguíneos, pupilas dilatadas, aumento da temperatura, da frequência cardíaca e da pressão arterial. Grandes quantidades (várias centenas de miligramas ou mais) intensificam o efeito do crack para o usuário, mas também pode levar a um comportamento bizarro, errático, e violento. Grandes quantidades podem induzir tremores, vertigens, espasmos musculares, paranoia ou, com doses repetidas, uma reação tóxica muito parecida com a reação do uso das anfetaminas. Alguns usuários de crack relataram sentimentos de agitação, irritabilidade e ansiedade. Em casos raros, morte súbita pode ocorrer no primeiro uso do crack ou de forma inesperada depois. As mortes relacionadas ao crack são muitas vezes resultado de parada cardíaca ou convulsões seguida de parada respiratória. Uma tolerância considerável ao uso do crack pode-se desenvolver, com muitos viciados relatando que eles procuram, mas não conseguem atingir tanto prazer como fizeram da sua primeira experiência. Alguns usuários aumentam a frequência das doses para intensificar e prolongar os efeitos eufóricos. Embora a tolerância à altas doses possa ocorrer, os usuários poderão também tornar-se mais sensíveis (sensibilização) para efeitos anestésicos e convulsivante do crack, sem aumentar a dose tomada:. Aumento de sensibilidade pode explicar algumas mortes que ocorrem após doses aparentemente baixas de crack.
O crack eleva a temperatura do corpo, podendo causar no dependente um acidente vascular cerebral. A droga também causa destruição de neurônios e provoca a degeneração dos músculos do corpo (rabdomiólise), o que dá uma aparência visivelmente alterada aos seus usuários contínuos, bem característica (esquelética): olhos esbugalhados e ossos da face salientes, braços e pernas finos e costelas aparentes. O crack inibe a fome, de maneira que os usuários só se alimentam quando não estão sob seu efeito narcótico. Outro efeito da droga é o excesso de horas sem dormir, e tudo isso pode deixar o dependente facilmente doente.
A maioria das pessoas que consomem bebidas alcoólicas não se torna alcoólatra (dependente de álcool). Isso também é válido para grande parte das outras drogas. No caso do crack, com apenas três ou quatro doses, às vezes até na primeira, o usuário se torna completamente viciado. Normalmente o dependente, após algum tempo de uso da droga, continua a consumi-la apenas para fugir do desconforto da síndrome de abstinência — depressão, ansiedade e agressividade —, comum a outras drogas estimulantes.
Após o uso, a pessoa apresenta quadros de extrema violência, agressividade que se manifesta a princípio contra a própria família, desestruturando-a em todos os aspectos, e depois, por consequência, volta-se contra a sociedade em geral, com visível aumento do número de crimes relacionados ao vício em referência.
O consumo de crack fumado através de latas de alumínio como cachimbo, uma vez que a ingestão de alumínio está associada a dano neurológico, tem levado a estudos em busca de evidências do aumento do alumínio sérico em usuários de crack.




Associação à prática de crimes
O uso do crack — e sua potente dependência psíquica — frequentemente leva o usuário que não tem capacidade monetária para bancar o custo do vício à prática de delitos e para obter a droga. Os pequenos furtos de dinheiro e de objetos, sobretudo eletrodomésticos, muitas vezes começam em casa. Muitos dependentes acabam vendendo tudo o que têm a disposição, ficando somente com a roupa do corpo. Em alguns casos, podem se prostituir para sustentar o vício. O dependente dificilmente consegue manter uma rotina de trabalho ou de estudos e passa a viver basicamente em busca da droga, não medindo esforços para consegui-la. Tais "sintomas" foram mostrados pelo programa Profissão Reporter, que foi ao ar pela TV Globo, no dia 16 de novembro de 2010. O crack pode causar doenças reumáticas, podendo levar o indivíduo a morte.
Embora seja uma droga mais barata que a cocaína, o uso do crack acaba sendo mais dispendioso: o efeito da pedra de crack é mais intenso, mas passa mais depressa, o que leva ao uso compulsivo de várias pedras por dia.
O pesquisador Luis Flávio Sapori, do Instituto Minas pela Paz, que realizou a mais aprofundada pesquisa sobre o assunto, financiada pelo CNPq, aponta que o crack é sem dúvida um fator de risco para a violência urbana. Segundo Sapori não há uma política nacional de saúde pública para acolher o dependente químico que queira se tratar. Ao mesmo tempo não há mecanismos para aqueles que necessitariam de uma internação involuntária.



Chances de recuperação e tratamento
As chances de recuperação dessa doença, que muitos especialistas chamam de "doença adquirida" (lembrando que a adição não tem cura), são das mais baixas que se conhece dentre todas as droga-dependências. A submissão voluntária ao tratamento por parte do dependente é difícil, haja vista que a "fissura", isto é, a vontade de voltar a usar a droga, é grande demais. Além disso, a maioria das famílias de usuários não tem condições de custear tratamentos em clínicas particulares ou de conseguir vagas em clínicas terapêuticas assistenciais, que nem sempre são idôneas. Nas Comunidades Terapêuticas as internações acontecem voluntariamente. Estão regulamentadas pela Resolução nº 101/2001 da Vigilância Sanitária, mas várias das que funcionam atualmente estão fora das normas.
É comum o dependente iniciar, mas abandonar o tratamento.
A imprensa também tem mostrado as dificuldades sofridas por parentes de viciados em crack para tratá-los. Casos extremos, de famílias que não conseguem ajuda no sistema público de saúde, são cada vez mais comuns.
A melhor forma de tratamento desses pacientes ainda parece ser objeto de discussão entre especialistas. Muitos psiquiatras e autoridades posicionam-se a favor da internação compulsória em casos graves e emergenciais, cobrando revisão da legislação brasileira, que restringe severamente a internação compulsória de dependentes químicos, e aumento de vagas em clínicas públicas que oferecem esse tipo de internação. Contra a internação involuntária, há argumentos de que é muito baixa a eficácia do tratamento sem que haja o desejo da pessoa de se tratar. Por outro lado, admiti-la como foco de uma política de tratamento dos usuários de crack poderia abrir espaço para a violação de direitos humanos, como ressaltou Pedro Abramovay, em entrevista na Revista Cult, 165, ano 15, fevereiro 2012: "Não dá para não pensar na metáfora de Machado de Assis - a internação compulsória pode levar todos à Casa Verde [hospício criado por Simão Bacamarte em 'O Alienista']."
Poucas cidades brasileiras possuem o Centro de Atenção Psicossocial Álcool e drogas (CAPS AD). Essa modalidade de CAPS foi criada pela portaria ministerial nº 336 de 10 de fevereiro de 2002. Possui atendimento ambulatorial e hospital-dia com equipes interdisciplinares cuja a função é criar uma rede de atenção aos usuários de álcool e outras drogas.
Outra estratégia de intervenção voltada à abordagem do usuário de crack são os chamados "Consultórios de Rua". Predefinição: http://www.brasil.gov.br/enfrentandoocrack/superacao/projetos-bem-sucedidos/consultorio-de-rua
A recuperação não é impossível, mas depende de muitos fatores, como o apoio familiar, da comunidade, a existência de rede de saúde adequada e, de modo especial, a persistência da pessoa (vontade de mudar). Além disso, quanto antes procurada a ajuda, mais provável o sucesso no tratamento. Segundo o médico psiquiatra Marcelo Ribeiro de Araújo, "Faz-se necessário a constituição de equipe interdisciplinar experiente e capacitada, capaz de lhes oferecer um atendimento intensivo e adequado às particularidades de cada um deles, contemplando suas reais necessidades de cuidados médicos gerais, de apoio psicológico e familiar, bem como de reinserção social".
No caso de internação, pode ser de extrema importância o acompanhamento do usuário após esse período, para que não recaia no vício.
Seis vezes mais potente que a cocaína, o crack tem ação devastadora provocando lesões cerebrais irreversíveis e aumentando os riscos de um derrame cerebral ou de um infarto.
Diferentemente do que se poderia imaginar, porém, não são as complicações de saúde pelo uso crônico da droga, mas sim os homicídios, que constituem a primeira causa de morte entre os usuários, resultantes de brigas em geral, ações policiais e punições de traficantes pelo não-pagamento de dívidas contraídas nesse comércio. 
Outra causa importante são as doenças sexualmente transmissíveis, como o HIV por exemplo, por conta do comportamento promíscuo que a droga gera. O modo de vida do usuário, enfim, o expõe à vitimização, muitas vezes e infelizmente levando-o a um fim trágico.
Estudos indicam que a porcentagem de usuários de crack que são vítimas de homicídio é significativamente elevada: O pesquisador Marcelo Ribeiro de Araújo acompanhou 131 dependentes de crack internados em clínicas de reabilitação e concluiu que usuários de crack correm risco de morte oito vezes maior que a população em geral. Cerca de 18,5% dos pacientes morreram após cinco anos. Destes, cerca de 60% morreram assassinados, 10% morreram de overdose e 30% em decorrência de AIDS.



Disseminação do vício
Estatísticas e apreensões policiais demonstram um aumento percentual do consumo de crack em relação às outras drogas, vindo seus usuários das mais variadas camadas sociais. Outros estudos relacionam a entrada do crack como droga circulante em São Paulo ao aumento da criminalidade e da prostituição entre os jovens, com o fim de financiar o vício. Na periferia da cidade de São Paulo, jovens prostitutas viciadas em crack são o nicho de maior crescimento da aids no Brasil.
Outras drogas, sobretudo a cocaína, funcionam, via de regra, como porta de entrada para o crack a que o usuário recorre por falta de dinheiro, para sentir efeitos mais fortes, ou ainda por curiosidade.
Ao local público onde legiões de usuários costumam se aglomerar para fazer uso da droga a mídia deu o nome de cracolândia. Esses mesmos locais são cenários de tráfico de entorpecentes, prostituição, etc., prejudicando sobremaneira o comércio nas adjacências. O efeito social do uso do crack é o mais deletério e, nesse sentido, o seu surgimento pode ser considerado um divisor de águas no submundo das drogas. As pedras começaram a ser usadas no ano de 1990 na periferia de São Paulo e, segundo se diz, de início as próprias quadrilhas de traficantes do Rio de Janeiro não permitiam a sua entrada, pois os bandidos temiam que o crack destruísse rapidamente sua fonte de renda: os consumidores.
Entretanto, em menos de dois anos a droga alastrou-se como uma praga por todo o Brasil. Recentes reportagens demonstram que o entorpecente tornou-se o mais comercializado nas favelas cariocas multiplicando os lucros dos traficantes.
Atualmente, pode-se dizer que há uma verdadeira "epidemia" de consumo do crack no País, atingindo cidades grandes, médias e pequenas. Efetivamente, é o que aponta recente pesquisa da Confederação Nacional de Municípios, amplamente divulgada, segundo a qual o crack é consumido em 98% das cidades brasileiras.
Alguns consumidores, em especial do sexo feminino, na prostituição de baixo nível, visando somar recursos para manter o próprio vício, utilizam-se da introdução de pequenas porções de crack em cigarros de maconha, no que é chamado de "desirée", "mesclado", "craconha" ou "criptonita", na gíria do meio consumidor e traficante de crack. Esta prática também é utilizada por traficantes, que adicionam uma pequena quantidade de crack à maconha e vendem aos usuários, sem que estes saibam. É uma tática cruel para obter novos viciados.

Fonte: Wikipédia




21.5.12

George Best, o melhor do mundo segundo o Rei Pelé



George Best (Belfast, 22 de maio de 1946 – Londres, 25 de novembro de 2005) foi um futebolista norte-irlandês
Se consagrou no time inglês do Manchester United, sendo considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos e o melhor jogador irlandês e britânico da história.
O significado de seu sobrenome, em inglês, é "melhor", o que gerou um ditado popular em sua terra natal: "Maradona good. Pelé better. George Best [Maradona, bom. Pelé, melhor. George, 'O' melhor]".



Início
Nasceu na capital da Irlanda do Norte, logo após o fim da Segunda Guerra Mundial.
Era tão fanático por futebol quando criança que dormia com uma bola na cama.
Aos 15 anos, foi treinar no Manchester United, descoberto por um olheiro do clube que o vira atuar por um time amador de Belfast, os Cregagh Boys. Em 1963, estreou como profissional. O clube ainda vivia no luto causado pela morte, em acidente aéreo, de alguns integrantes da jovem e brilhante equipe que encantara o futebol inglês nos anos 1950, os Busby Babies, os "bebês" do técnico Matt Busby, um dos sobreviventes do desastre.
Tendo continuado no comando do time, Busby aprovaria a contratação do gênio anunciado. Em sua primeira temporada, Best participou do título da FA Cup.



Auge
Não demoraria a explodir: driblador, provocador e dono de um talento irrepreensível dentro de campo (o que lhe rendeu comparações a Garrincha), formou um lendário trio com o inglês Bobby Charlton (outro sobrevivente) e o escocês Denis Law. Com eles, foi campeão inglês em 1965, o sexto título da história do clube no campeonato.
Credenciado para a Copa dos Campeões da UEFA de 1966, o United cruzou nas quartas-de-final com o forte Benfica de Eusébio, Coluna e José Torres, clube cuja equipe-base fora bicampeã do torneio em 1961 e 1962.
Após vitória apertada por 3 x 2 em Old Trafford, Busby determinou cautela e estudo do adversário nos primeiros quinze minutos da partida de volta, em Lisboa. Best o desobedeceu e em doze minutos já havia marcado duas vezes. Os Red Devils fariam 5 x 1 (com ele marcando um terceiro gol) em pleno Estádio da Luz. No dia seguinte, ele era manchete nos jornais ingleses com o título mais cultuável possível pela juventude inglesa daqueles tempos: "O Quinto Beatle". O sonho do troféu europeu naquela temporada, entretanto, acabaria nas semifinais, onde os mancunianos foram eliminados pelos iugoslavos do Partizan.
O apelido ganhou força de qualquer forma, e também devido à vida de Best fora de campo, onde era frequentemente visto com belas mulheres e carros de último tipo, despertava histeria nas adolescentes com seus cabelos longos e esvoaçantes e seu rosto de galã de cinema, metendo-se em altas festas. Tal comportamento boêmio o levaria ao alcoolismo que acabaria com a sua carreira. Com certa frequência, também atrasava-se ou não comparecia a treinos, o que o fez levar inúmeras multas e suspensões.
Ainda assim, sua capacidade devastadora de furar defesas e seu grande carisma esgotavam a imaginação da imprensa europeia, que a cada nova grande exibição procurava um novo adjetivo para qualificá-lo. Após voltar de uma de suas suspensões, que durou 28 dias, marcou os seis gols da vitória por 8 x 2 sobre o Northampton Town.
Em 1967, veio novo título inglês. O tri quase veio em 1968: Best terminou o campeonato como artilheiro com 28 gols, mas a conquista ficou com o rival Manchester City por dois pontos de diferença. Paralelamente, em nova chance na Copa dos Campeões, o United encarou outra vez o Benfica, desta vez na final, disputada no mítico Wembley. Best marcou o terceiro gol na vitória por 4 x 1 driblando toda a defesa adversária, fazendo do United o primeiro inglês a vencer o mais importante troféu europeu de clubes.
Ao final daquela arrasadora temporada, recebeu a Bola de Ouro da France Football como o melhor jogador europeu do ano. É até hoje o único de todos os irlandeses agraciado com o prêmio. No clube que aprendeu a amar, marcaria 179 gols em 470 jogos, tendo sido artilheiro do time em seis temporadas seguidas.
Os anos de ouro no Manchester United. Uma seleção com mais de 40 gols de George Best. Verdadeiras obras-primas do futebol arte.

Os dribles, as jogadas, os passes e as incríveis assistências de George Best no Manchester United. Surpreendente ver a facilidade que ele tinha em passar pelos zagueiros, às vezes quase que um time inteiro. Há também uma sequencia de imagens de Best sofrendo faltas, sendo caçado em campo. E a agressão de Best a um jogador do Benfica.


Decadência
Cada vez mais explorado nas colunas sociais, seu rendimento em campo começou a cair justamente logo após o auge de sua consagração. O United, que perdeu o Mundial Interclubes de 1968 para o Estudiantes de La Plata (Best chegou a ser expulso no jogo de volta, em Old Trafford - os argentinos haviam vencido em casa e empataram fora), não conseguia mais troféus. Matt Busby, um dos poucos no clube a aturar o temperamento de Best, aposentaria-se de vez em 1971, após ter chegado a deixar o cargo em 1969. Não ajudavam as suas aparições de bêbado nos tablóides ingleses. Tinha a vida cada vez mais questionada em cada detalhe pela mídia, que o tratava como celebridade tal como a um músico ou um diplomata. "Eu sou o cara que levou o futebol das páginas internas para a capa dos jornais", teria dito.
Aos 27 anos, sairia do Manchester United, no meio da campanha desastrosa que culminaria no rebaixamento do clube, decretado em derrota para os rivais do City.
Ficou um tempo emprestado ao insignifcante Dunstable Town. No ano seguinte, foi para o não muito maior Stockport County. Na época, convivia com ameaças dos terroristas do IRA por ser protestante. Sua irmã chegou a levar um tiro na perna em um atentado. Curiosamente, do Stockport iria para uma equipe católica, o Cork Celtic, da própria República da Irlanda. Jogaria em outro clube alinhado a católicos posteriormente, o Hibernian, da Escócia.
Best chegou a reaparecer na elite inglesa ao passar uma temporada no Fulham, onde atuou ao lado de Bobby Moore. Mas resolveu esconder-se no futebol dos Estados Unidos, à procura de abafar sua decadência. Se chegou a jogar ao lado de Gerd Müller e Teófilo Cubillas no Fort Lauderdale Strikers, Best jogou também no time da Prisão Ford, onde ficou preso por oito semanas por dirigir embriagado e bater em um policial Aos 38 anos, em 1984, se aposentou definitivamente, já não sendo nem sombra do craque promissor dos anos 1960.
Os últimos anos de Best no Manchester United, os 6 gols na mesma partida em 1971, a ascenção na mídia. As atuações de Best em times americanos (onde encarou o Cosmos do Rei Pelé), a passagem pelo Fulham (vale a pena ver Best driblando o próprio companheiro de equipe, Marsh) e pelo Hibernian da Escócia.


Pela Seleção
Best está, certamente, entre os grandes jogadores da história do futebol a jamais ter jogado uma Copa do Mundo. A estreia pela Seleção Norte-Irlandesa ocorreu em 1964, em amistoso contra o País de Gales (na partida, estreou também outra futura grande estrela da seleção, o goleiro Pat Jennings), e a equipe - que estreara em Copas no mundial de 1958 e esteve ausente no de 1962 - esteve bem próxima de classificar-se para a Copa de 1966, sediada na Inglaterra, onde morava. Um empate fatal na última rodada das Eliminatórias contra a inexpressiva Albânia eliminou o selecionado, que ficou um ponto atrás - com maior saldo de gols - do que a primeira colocada, a Suíça. O empate foi justamente o primeiro ponto conquistado pelos albaneses naquelas Eliminatórias, em que terminaram na última colocação de seu grupo.
A Irlanda do Norte disputou vaga na Copa de 1970 contra Turquia e União Soviética. Nos dois primeiros jogos, obteve duas vitórias contra os turcos. Após um recesso de dez meses nas disputas, entretanto, ficaria em segundo lugar no grupo - e sendo assim eliminada - após empatar em casa contra a URSS e perder fora. Com Best já decadente, o país ficou em terceiro lugar, atrás dos classificados búlgaros e dos portugueses nas Eliminatórias para o mundial de 1974. Na última oportunidade de Best em disputar uma Copa, a de 1978, a seleção ficou novamente em terceiro lugar nas Eliminatórias, atrás dos Países Baixos e da Bélgica. Best faria sua última partida pela Irlanda do Norte em 1977.
Ironicamente, na primeira tentativa de classificação para uma Copa sem contar com Best, os norte-irlandeses conseguiram vaga para a de 1982. Houve quem defendesse a sua convocação para o mundial da Espanha quando à época estava no San Jose Earthquakes. Best estava com 36 anos e escondido na liga estadunidense, mas ainda era respeitado na terra natal. O técnico Billy Bingham procurou ver Best, mas uma fraca partida da equipe o fez optar por não levar o decadente astro. Best declararia que ficaria resignado em ser utilizado em poucos minutos, apenas para sentir a sensação de disputar uma Copa, mas respeitou a decisão de Bingham.
Ao todo, foram apenas 37 partidas por seu país. Sempre lamentou não ter realizado mais jogos; seus compromissos com o United o impediram de conciliar o clube com a seleção com certa frequência. Marcou nove vezes. Teriam sido dez se um gol, seu mais famoso, não tivesse sido anulado por um bandeirinha. Em amistoso contra a Seleção Inglesa em 1971, em Belfast, tirou a bola do domínio de Gordon Banks, aproveitando-se de um momento de desatenção do lendário goleiro inglês, que jogara a bola no ar para chutá-la. Best cabeceou-a para o gol, e o árbitro auxiliar considerou o lance faltoso.
Sobre as Irlandas, o protestante Best defendeu que ambas deveriam ter uma única seleção, a exemplo da de rugby: "São dois países pequenos e a única chance de terem algo bom seria se unissem suas forças (...). Se isso ajudasse ao menos um pouco a resolver outros problemas, deveria ser encorajado. Poderia trazer um sentimento de união".
A passagem de Best pelo San Jose Eartquakes (onde marcou um dos gols mais bonitos de sua carreira), as memoráveis partidas que disputou pela seleção norte-irlandesa (inclusive o antológico gol no arqueiro inglês Gordon Banks), dribles e jogadas fantásticos. O declínio anunciado, os problemas com o alcoolismo, a polêmica aparição num programa de TV (onde Best estaria embriagado)...os últimos anos de um dos maiores gênios da bola.


O fim de uma estrela
Casado duas vezes e tendo quatro filhos, dois dos quais não reconheceu como dele, deu em 1990 um vexame em debate ao vivo pela BBC, completamente bêbado ("Eu o vi se aproximar e os olhos dele estavam vermelhos. Sabia que ele tinha tomado várias em menos de cinco minutos", disse o apresentador do programa, Terry Wogan). Em 2002, teve de receber um transplante de fígado, destruído pela cirrose, voltando a beber logo no ano seguinte. No dia 3 de Outubro de 2005, foi internado às pressas no hospital Cromwell de Londres com problemas nos rins.
Seus últimos dias foram no hospital, ao lado de sua família e do amigo Denis Law.
Aos pés da cama, uma carta com a seguinte assinatura: "Do segundo melhor jogador de todos os tempos, Pelé". Sobre ela, Best disparou: "Este foi o último brinde da minha vida".
No dia 20 de Novembro, teve seu último gesto de nobreza: deixou-se fotografar no seu estado lamentável no quarto do hospital onde estava pela imprensa, com a mensagem: "Não morra como eu". Morreria cinco dias depois, com múltipla falência dos orgãos. Homenageado por multidões e políticos como grande estrela, foi enterrado com 59 anos ao lado da mãe na sua Belfast natal.




Títulos
Manchester United
Campeonato Inglês: 1964-1965,1966-1967
Copa da Inglaterra: 1963
Supercopa da Inglaterra: 1965,1967
Taça dos Campeões Europeus: 1967-1968

Títulos individuais
Ballon d'Or: 1968
FIFA 100




Algumas Frases de George Best

"Odeio táticas, elas me aborrecem. O que me importa são meus dribles, chego a sonhar com eles"

"(David Beckham) não chuta com a esquerda, não sabe cabecear, não sabe driblar e não marca muitos gols; fora isso, ele é bom"

“Eu sou o cara que levou o futebol das páginas internas para a capa dos jornais.”

"Em 1969, eu abandonei as mulheres e o álcool. Foram os 20 piores minutos da minha vida"

"Gastei muito dinheiro com bebidas, mulheres e carros. O resto eu desperdicei"


"Dizem que tentei dormir com sete Misses Mundo. Não é verdade. Foram apenas quatro. As outras três é que vieram atrás de mim.”


Fonte: Wikipédia

(Clique nas imagens para ampliar)





19.5.12

A tristeza não dura para sempre.



Lidar com a tristeza é delicado e perigoso;
a forma de sua abordagem ou escala varia muito de pessoa para pessoa e nessas horas
fica difícil não sucumbir diante dela.

Mas vale lembrar que a intensidade ou duração de qualquer fase triste seria muito melhor administrada se incutíssemos em nossa mente que o dia de amanhã pode ser muito melhor que o de hoje e principalmente que 
A TRISTEZA NÃO DURA PARA SEMPRE 
e  com ela podemos aprender 
e amadurecer muito.

Perdas, rupturas e desgraças 
infelizmente 
fazem parte da vida.

Renato Curse                  13 de março de 2007




18.5.12

Leonardo da Vinci, o mais completo dos homens




O que às vezes pode parecer e ser inalcançável a muitas pessoas, no campo intelecto, inventivo e cultural, para outros (evidentemente bem poucos) pode ser perfeitamente atingível e facilmente explorável nas mais variadas abordagens, levando-nos por surpresa, espanto ou admiração, a inevitáveis indagações: “De onde proveria tanta criatividade, inteligência e raciocínio tão precisos?”  “Por que, se comparado ao número total de habitantes terrestres, um número tão escasso de pessoas consegue chegar ao ápice da genialidade?”  “Quais motivações inspiram os sábios, gênios e inventores a fazerem suas prodigiosas e surpreendentes criações/invenções?”
A Itália, por exemplo, foi o berço pátrio de muitos gênios que revolucionaram e radicalizaram os conceitos artísticos, culturais, morais e sociais do mundo todo, entre estes: Galileu Galilei, Giotto Da Bondone, Michelangelo e Leonardo da Vinci, o último classificado como “o mais completo dos homens”, título talvez conferido devido à notoriedade por ele atingida nas mais variadas ocupações e áreas nas quais se dedicou, nas ciências e nas artes, estas exprimidas no período Quatrocento do Renascimento.
Casa onde Da Vinci teria
passado a infância
Ilustríssimo pintor, escultor, arquiteto, engenheiro, cientista, matemático, anatomista, inventor e escritor, Leonardo di Ser Piero da Vinci nasceu na aldeia de Anchiano, em Vinci, próximo a Florença (na Itália), no dia 15 de abril de 1.452.    Filho do nobre Messer Piero Da Vinci com uma camponesa, ele foi criado pelo pai sob finos cuidados morais e educativos.   Logo depois de seu nascimento, Ser Piero uniu-se a Monna Albiera degli Amadori que, mais tarde, juntamente com a avó paterna de Leonardo, ensinaria ao menino as primeiras letras.
Na idade escolar, educado por excelentes professores, a inteligência aguçada e apurada do garoto já havia aflorado nas muitas formulações teóricas que ele dirigia aos mestres, confundindo até os mais estudados.
Na adolescência, já residindo com a família em Florença, além de já escrever indefectivelmente com ambas as mãos e no sentido inverso (para ser lido somente se refletido num espelho), Leonardo da Vinci modelava com argila imagens humanas e animais e já demonstrando seus dons artísticos e científicos, ele rabiscava e criava complexos desenhos e projetos matemáticos e arquitetônicos. Mas tinha um detalhe: tudo isso ele fazia secretamente.   Porém, em 1.467, ao revirar suas coisas, seu pai acabou encontrando um daqueles desenhos e surpreso com a criatividade do filho de 15 anos, apresentou-o ao famoso pintor e escultor Andrea Di Cione, o II Verrocchio, para o qual Leonardo começou a trabalhar como aprendiz em seu ateliê, destacando-se tanto na pintura quanto na escultura.   Nesse período ele já dividia seu aperfeiçoamento artístico com seus estudos pessoais sobre física, matemática e mecânica.
São Jerônimo, obra inacabada
Em 1.472 foi matriculado e registrado na Companhia de Arte de São Lucas e em 1.477 parou de trabalhar com II Verrocchio.   Tamanho era o realismo e a perfeição de suas obras que, mais tarde, por volta de 1.480 (época em que começou a pintar São Jerônimo, a qual deixou inacabada), Leonardo da Vinci acabou sendo acusado de herege e feiticeiro pelas instituições católicas, o que resultou também num processo.

Depois de ganhar a causa, em 1.481, aos 29 anos de idade, o artista mudou-se para Milão, passando a trabalhar para Ludovico Sforza, o II Moro, em seu próprio castelo.  


A Última Ceia
Nessa época, além de ter desenvolvido para Ludovico projetos de engenharia militar e hidráulica (para os canis de Milão), Leonardo da Vinci pintou – entre várias telas – a “Virgem dos Rochedos” por volta de 1.483, o famosíssimo “Última Ceia” entre 1.495 e 1.497; decorou a Sala delle Asse em 1.498, iniciou os escritos de seu célebre livro “Tratado della Pittura” (publicado só em 1.651) e se aprofundou nos estudos de física, anatomia, matemática, botânica e geologia.  Nessa época, seus discípulos favoritos eram Solaino, Marco d’Oggiono e Boltraffio.
Em setembro de 1.499, com a invasão do exército francês a Milão (a mando do rei Luis XII), Leonardo e seus discípulos foram obrigados a deixar a cidade, passando a residir, respectivamente em Mântua, Veneza e Florença, tendo acompanhado em 1.502 o duque Valentino, Cesare Borgia, na campanha de Romagna, atuando como arquiteto e engenheiro militar.
Mona Lisa
De volta a Florença, ele pintou (até 1.506) seu mais famoso quadro, o retrato de Madonna Lisa Del Giocondo (a Gioconda), mais conhecido por “Mona Lisa” e também “A Batalha de Anghiari”, na sala do Grande Conselho onde Michelangelo pintou na mesma época “A Batalha de Cascina”. Isso provocou uma certa rivalidade entre os dois artistas (as duas obras permaneceram inacabadas).
Em 1.507, aos 55 anos, Leonardo, solicitado pelo rei Luis XII, retornou a Milão onde permaneceu até 1.513, partindo posteriormente para Roma, onde morou com o irmão do Papa Leão X, Giuliano de Médici até a morte deste em 1.516 – nessa época uma paralisia imobilizara seu braço e sua perna direita, impossibilitando-o de pintar.
Possível auto-retrato
Mesmo enfermo, Leonardo da Vinci foi chamado por Francisco I, novo rei da França, para residir naquele país. Ao aceitar, Leonardo foi nomeado primeiro-pintor, engenheiro e arquiteto real e ganhou o Castelo de Cloux, próximo a Ambroise.
Três anos depois, na noite de 2 para 3 de maio de 1.519, aos 67 anos, Leonardo da Vinci morreu ao lado de seu fiel discípulo Francesco Melzi, deixando para ele todos os seus estudos como herança.
Dentre as suas principais invenções destacam-se:  a laminadora, os rolamentos de rolo, a câmara escura (três séculos antes da invenção da fotografia), além de projetos que anteciparam a invenção do escafandro, do helicóptero e do paraquedas (uma das maiores obsessões de Leonardo Da Vinci foi o desejo de voar).


Texto: Renato Curse                 julho de 2.001


(Este texto foi publicado na edição # 36 do Informativo Mix Cultural, de 14 de julho de 2.001)